O CRIME DE TRAIÇÃO À PÁTRIA:

O CRIME DE TRAIÇÃO À PÁTRIA:

O Art.º-141.º Do Código Penal é simples e claro: "Será condenado na pena de prisão maior de vinte a vinte e quatro anos, todo o português que: 1.º intentar, por qualquer meio violento ou fraudulento ou com auxílio estrangeiro, separar da mãe-Pátria ou entregar a país estrangeiro todo ou parte do território português, ou por qualquer desses meios ofender ou puser em perigo a independência do País. 2.º Tomar armas, debaixo das bandeiras de uma nação estrangeira, contra a Pátria". Simples e claro como o juízo do nosso povo, quanto à forma como a Pátria foi mutilada.

A REVOLUÇÃO DOS CRAVOS DE SANGUE E O DRAMA DO POVO DE PORTUGAL !

                          COMUNISMO/SOCIALISMO  OU O MUNDO DO CRIME?
Os Exércitos foram Constituídos para defenderem e protegeram as suas Nações os seus povos, dos algozes inimigos, nunca para virarem armas contra o seu povo e a sua Nação, a favor do inimigo!

Estas fotografias são pura ilusão de óptica, não se trata de uma qualquer encenação para teatro de comédia ou simulação de uma qualquer guerra para filme de 2 euros de televisão (portuguesa), é a criminosa e ao mesmo tempo Lírica "Revolução dos Cravos" da qual resultou a destruição, em tempo recorde, de uma grande Nação secular, e o genocídio de milhões de seres humanos "portugueses" pela Constituição da Nação:







 E OS QUE VIERAM A SEGUIR:

  Vasco Gonçalves o camarada  que passou das consultas em psiquiatria 
no Hospital Júlio de Matos em Lisboa, a primeiro-ministro.




Liberdade ou promíscua imoralidade reprimida pelas leis do Estado Novo na observância do dever nos princípios dos valores da dignidade humana, da decência e da moral. Promiscuidade desejada pela ralé e obtida na esteira da criminosa revolução dos cravos de todos os crimes.


Nocivos Criminosos:  Soares socialista /marxista; Alvaro Cunhal marxista/leninista:
 Retornados do Crime e para o Crime, abortados e impostos pela "revolução dos cravos".


 Alvaro Cunhal marxista/leninista; Mário Soares socialista/marxista: 
 Retornados a Portugal na crista da onda vermelha, vindos de Moscovo e de Paris: 
A seguir à chamada "revolução dos cravos" retornaram a Portugal para darem largas a prática dos Crimes, que lhes era  usual, durante os seus arraiais (diários)  inflamavam vontades em praça pública proclamando a propaganda satânica comunista e socialista marxista, davam ênfase à instigação ao ódio, à desordem, aos assaltos, aos saques, às expropriações dos bens de particulares, aos saneamentos dos trabalhadores nas empresas públicas e nas privadas, às greves. Bramando como furacões raivosos que tudo devastam à passagem, a favor da entrega dos territórios de Portugal à Rússia, no incitamento ao genocídio e à terrificante guerra fratricida, para assim lhes ser facultada a usurpação das riquezas de Angola,  mesmo que sobre sangue, sobre as vidas de milhares de portugueses destruidas, e sobre os cadáveres de milhões de vítimas até então portugueses.

Os propagandistas do caos, da miséria, da fome, da morte, e dos projectos revolucionários, que disfarçam oportunistas, assassinos e psicopatas. A esquerda prega a justiça, a paz, e semeia os crimes, o caos e a morte, intencionalmente, como um caminho, como um método, como uma técnica. Sempre justificada pela frase: "Os fins justificam os meios". Esta é uma das frases mais terríveis que já li. Eles dizem mais: "Quem está contra merece morrer", "Não há projecto de esquerda sem fraudes e sem mortes. Sem dor e sangue. Sem violência e inclemência diante de indivíduos inermes e desarmados".


O IMUNDO REVOLUCIONÁRIO, E A BANDEIRA DE PORTUGAL!  
  
Nos seus maus aspectos falhos de asseio e de míseros bandoleiros não se lhes reconhece: Inteligência, Brio, Honra, Coragem, Lealdade, Respeitabilidade, Honorabilidade, nem Patriotismo! 
Deles, serve exemplo este imundo bandoleiro saído de Abril, e imposto por uma insurreição militar ao povo português de Angola, transportando debaixo do braço, como se fora um qualquer trapo, a Bandeira da Nação que flutuava no alto da Fortaleza de São Miguel em Luanda. Cumprindo fielmente a imagem da bandalheira, do crime contra a Pátria e a falta de respeito na prática criminosa exercida contra a mesma e os seus povos. Em Angola, terra de Portugal há cinco séculos, nunca a Bandeira foi tão enxovalhada, o povo português de Angola de todas as raças e credos, civis ou militares idolatravam a Bandeira como símbolo da Pátria pela qual lutaram e morreram.



 UM PEQUENO EXEMPLO DE COMO OS CRIMINOSOS DE ABRIL LEVARAM PORTUGAL
À RUÍNA:
Se um fotógrafo é capaz de captar a "índole" das pessoas, sem dúvida, alguma, que o autor desta foto é um excelente profissional. A foto espelha o retrato de um néscio, de um indivíduo desprezível (mestre no tráfico, e lavagem de dinheiro), de um torpe de baixa condição moral, que viveu às custas de outrem para obter lucros indevidos ou de forma ilícita, e que se aproveitou de todos os portugueses contribuintes:Desde sempre se vendeu, e desde sempre o que conseguiu foi à custa de outros: Nada é dele, e a ele nada lhe pertence.


O CONTRABANDO E LAVAGEM DE DINHEIRO DA CIA:
Na VPRO uma emissora de televisão holandesa, a 12 de Maio de 2013, passou uma reportagem onde desenha o tráfico do dinheiro para Mário Soares/PS, com origem na CIA e na Máfia da China. 

Entrada da NPO, onde a sua associada, VPRO, transmite as reportagens.



Andere Tijden o responsável pelo documentário na VPRO, enviou um repórter a Lisboa para entrevistar o homem que recebeu dinheiro negro, ilegal, Mário Soares, para comprar o poder, à pergunta do repórter sobre esse contrabando de dinheiro, respondeu: "se agora querem dizer que era dinheiro ilegal, que digam o que quiserem". (Agora, tal como Ontem, os actos criminosos têm a mesma qualificação, e têm o mesmo significado). 

A transmissão da VPRO avivou memórias e informou a nova geração sobre esta associação de malfeitores CIA/Mário Soares que de modo abusivo e criminoso se serviram de território da Nação Holandesa para o crime de contrabando de dinheiro, envolvendo políticos da Alemanha "Willy Brandt", e "Harry Jacob van den Bergh" da Holanda, que abandeou-se a esta gente de má nota conspurcando a nacao Holanda e apunhalando a honra de um povo. 
No ano 1987 Harry Jacob van den Bergh o correio do dinheiro sangue CIA, fazia parte do grupo parlamentar do PvdA, quando este crime se tornou público e o escândalo rebentou, ele foi obrigado a abandonar o Parlamento, após pedido de desculpas ao Parlamento e ao povo holandês, porque ele havia caído em descrédito, e foi titulado pelos holandeses de: - “Oud-PvdA-Gangster-politicus”, “Velho-PvdA-Gangster- Político”, e o PvdA (Partido Trabalhista, da Esquerda) holandês, foi estigmatizado, por ter tido entre os seus homens quem se prestasse a colaborar com este contrabando da CIA para o corrupto português Mário Soares. 

 O Povo Holandês na sua soberania é absoluto, os seus políticos devem-lhe "credibilidade, honestidade, transparência, eficiência, o respeito à dignidade, e a obediência às Leis" porque, "os assuntos do Estado é o povo, e o povo é o Estado", este caso crime do contrabando de dinheiro sangue CIA para o corrupto Mário Soares, ficou marcado indelével na memória do povo holandês, dentro destes valores, e, mais uma vez, a reacção nos países do norte da Europa contra este crime, em especial na Holanda, não se fez esperar: na Imprensa, no Facebook, Sites, Blogs, etc... onde os holandeses não pouparam fortes críticas, dando origem a uma nova campanha contra o PvdA. 

 O De Volkskrant e outros Jornais Holandeses descrevem, esse crime, assim: 

 "Harry van den Bergh no contrabando de dinheiro da CIA para português camarada comprar o poder, a caridade pode encontrar simpatizantes estrangeiros. E Van den Bergh foi o correio deste trabalho perigoso, sujo e ilegal".
O ex-político trabalhista Harry J. van den Bergh com "desconhecimento" em 1974 foi agente da CIA para contrabandear dinheiro ilegal para Mario Soares. A esquerda gosta de dinheiro, de preferência dinheiro de sangue e da trituração". 

 Harry van den Bergh era secretário internacional do Partido Trabalhista (PvdA). Através de um colaborador próximo de Willy Brandt, foi abordado para acção de apoio. Ele "pensou" que foi contratado por Willy Brandt, líder do SPD alemão, mas na realidade, o dinheiro veio de os EUA. Van den Bergh encontra o programador e ouve supostamente a primeiro intromissão norte-americana, "Eu já sei onde você quer ir." Ele courier, Kissinger. Ele "agente" da CIA. Essa mesma CIA que um ano antes, derrubou, e alguns anos depois matou, o socialista/marxista chileno Salvador Allende.
 (Veja Steve Brown: "rotas de contrabando e lavagem de dinheiro") 

 Willy Brandt não devia permanecer no serviço de bordo. É uma tarefa perigosa e ilegal e criminosa, que é contrária à Lei Internacional. Mas para a caridade pode encontrar um gangster-estrangeiro disposto a tudo, e Van den Bergh do PvdA foi o mensageiro preparado. Colocou o dinheiro em uma subsidiária do Banco Holandês, em Amsterdam, na qual «por seis ou sete vezes» levantava as notas, transportando esse dinheiro, clandestinamente, nas «sete viagens» realizadas para o efeito a Lisboa, sendo esperado no aeroporto e encaminhado para o Hotel Ritz onde fazia a entrega das maletas com o dinheiro. 

 Harry Jacob van den Bergh antes do primeiro voo para Portugal pede segurança ao primeiro-ministro holandês, Joop den Uyl. e ao ministro dos Negócios Estrangeiros, Max van der Stoel, genuinamente informado. Joop den Uyl e Max van der Stoel, ambos do PvdA, tranquilizaram-no, mas oficialmente, não sabem nada, é claro. Esse envolvimento é contrário à lei Internacional. Até mesmo para um diplomático é um estatuto criminal por correio de dinheiro ilegal. 
 Arthur Hartmann, (secretário de Estado adjunto para os Assuntos Europeus e Canadenses) então secretário de Estado de Henry Kissinger divulgou que o dinheiro era da CIA: 

 Harry Jacob van den Bergh na entrevista à VPRO, a 12 de Maio de 2013, sobre a divulgação de Arthur Hartman, respondeu: "Se era dinheiro da CIA, no momento desconhecia a sua proveniência, se algumas pessoas pensam agora que eu era um agente da CIA, não é o caso. Na realidade, ele sabia exactamente de onde veio o dinheiro sangue, mas não se atreve a denunciar, sob pena de estatuto diplomático criminal por correio de contrabando de dinheiro ilegal, sob pena de perda de subsídio, e perda de concessão da actividade que desempenha".


Harry Jacob van den Bergh - Willy Brandt.     
                               



Holanda, 31 de  Junho de 1975, no Aeroporto de Schiphol. Lado esquerdo Ed Van Thijn, à época, líder do PvdA (Partido Trabalhista) holandês. Ao centro o corrupto Mário Soares, neste caso, comprado pela CIA.  Lado direito o judeu  Harry Jacob van den Bergh, à época, secretário do PvdA. 


A VPRO, na transmissão de Maio de 2013, também, fez referência aos milhões de dólares de Macau recebidos por este homem. Numa das passagens desta reportagem, constava, ele com os chineses na entrega das malas, a sua entrada para o avião com  as respectivas malas e a sua trupe.



A VPRO é uma Emissora holandesa, foi Fundada a 29 de Maio de 1926. Com alto nível de audiência. Liberal-protestante (originalmente), é um portador pioneiro, inovador, de uma forma muito pessoal, de programas liberais. Com uma vasta equipa de competentes profissionais. 
Transmitida no (s) Canal (s) de Televisão NPO 1, 2, 3
Estação (s) Radio, Radio 1 NPO, 3FM NPO, NPO Radio 4, Radio 5 NPO, NPO Radio 6.
O nome V.P.R.O. foi modificada em VPRO para indicar que o significado original das letras foi finalmente lançado. O nome registrado é agora Broadcasting Company VPRO.


Hilversum, Instituto Holandês de Imagem e Som.
 
Hilversum, Instituto Holandês de Imagem e Som. Os edifícios dos canais Estatais (excepto os canais comerciais e regionais) de televisão holandesa.


CRIMINOSOS DA MESMA ESTIRPE
 
No ano 1975 recebeu em Lisboa, Nicolae Ceausescu, o facínora ditador da Romênia Socialista, a quem admirava e chegou apresentar como modelo a seguir, para Portugal!



Ele, o Criminoso Apátrida, incentivou ao "Genocídio em Angola", desfalcou os cofres do Estado, como lacaio foi de grande utilidade ao serviço dos países estrangeiros, aos quais, empenhou uma Nação pertença de milhões  de portugueses!


Os gastos exorbitantes e as viagens aquando “presidente :
Um pequeno resumo, do muito, de onde foram gastos milhões dos impostos dos contribuintes portugueses e dos dinheiros dos cofres do Estado, só em viagens, milhões gastos gratuitamente, servindo unicamente para que ele se passeasse pelo mundo.

1986
11 a 13 de Maio - Grã-Bretanha;  06 a 09 de Julho - França ;  12 a 14 de Setembro - Espanha
17 a 25 de Outubro - Grã-Bretanha e França;  28 de Outubro - Moçambique;  05 a 08 de Dezembro - São Tomé e Príncipe;  08 a 11 de Dezembro - Cabo Verde.

1987 
15 a 18 de Janeiro - Espanha;  24 de Março a 05 de Abril - Brasil;  16 a 26 de Maio - Estados Unidos;  13 a 16 de Junho - França e Suíça;  16 a 20 de Outubro - França;  22 a 29 de Novembro - Rússia;  14 a 19 de Dezembro - Espanha;  15 a 18 de Janeiro - Espanha;  24 de Março a 05 de Abril - Brasil; 
16 a 26 de Maio - Estados Unidos;  13 a 16 de Junho - França e Suíça;  16 a 20 de Outubro - França; 
22 a 29 de Novembro - Rússia;  14 a 19 de Dezembro - Espanha. 

1988
8 a 23 de Abril - Alemanha;  16 a 18 de Maio - Luxemburgo;  18 a 21 de Maio - Suíça;  31 de Maio a 05 de Junho - Filipinas;  05 a 08 de Junho - Estados Unidos;  08 a 13 de Agosto - Equador;  13 a 15 de Outubro - Alemanha;  15 a 18 de Outubro - Itália;  05 a 10 de Novembro - França;  12 a 17 de Dezembro - Grécia. 

1989 
19 a 21 de Janeiro - Alemanha;  31 de Janeiro a 05 de Fevereiro - Venezuela;  21 a 27 de Fevereiro - Japão;  27 de fevereiro a 05 de Março - Hong-Kong e Macau;  05 a 12 de Março - Itália;  24 de Junho a 02 de Julho - Estados Unidos;  12 a 16 de Julho - Estados Unidos; 17 a 19 de Julho - Espanha;  27 de Setembro a 02 de Outubro - Hungria;  02 a 04 de Outubro - Holanda;  16 a 24 de Outubro - França;  20 a 24 de Novembro - Guiné-Bissau;  24 a 26 de Novembro - Costa do Marfim;  26 a 30 de Novembro - Zaire;  27 a 30 de Dezembro - República Checa.  

1990 
15 a 20 de Fevereiro - Itália;  10 a 21 de Março - Chile e Brasil;  26 a 29 de Abril - Itália;  05 a 06 de Maio - Espanha;  15 a 20 de Maio - Marrocos;  09 a 11 de Outubro - Suécia;  27 a 28 de Outubro - Espanha;   11 a 12 de Novembro - Japão. 

1991 
29 a 31 de Janeiro - Noruega;  21 a 23 de Março - Cabo Verde;  02 a 04 de Abril - São Tomé e Príncipe; 
05 a 09 de Abril - Itália;  17 a 23 de Maio - Rússia;  08 a 11 de Julho - Espanha;  16 a 23 de Julho - México;  27 de Agosto a 01 de Setembro - Espanha;  14 a 19 de Setembro - França e Bélgica;  08 a 10 de Outubro - Bélgica;  22 a 24 de Novembro - França;  08 a 12 de Dezembro - Bélgica e França. 

1992 
10 a 14 de Janeiro - Estados Unidos;  23 de Janeiro a 04 de Fevereiro - India;  09 a 11 de Março - França;  13 a 14 de Março - Espanha;  25 a 29 de Abril - Espanha;  04 a 06 de Maio - Suíça;  06 a 09 de Maio - Dinamarca;  26 a 28 de Maio - Alemanha;  30 a 31 de Maio - Espanha;  01 a 07 de Junho - Brasil; 
11 a 13 de Junho - Espanha;  13 a 15 de Junho - Alemanha;  19 a 21 de Junho - Itália;  14 a 16 de Outubro - França;  16 a 19 de Outubro - Alemanha;  19 a 21 de Outubro - Áustria;  21 a 27 de Outubro - Turquia;   01 a 03 de Novembro - Espanha;  17 a 19 de Novembro - França;  26 a 28 de Novembro - Espanha;  13 a 16 de Dezembro – França.  

1993  
17 a 21 de Fevereiro - França; 14 a 16 de Março - Bélgica;  06 a 07 de Abril - Espanha;  18 a 20 de Abril - Alemanha;  21 a 23 de Abril - Estados Unidos;  27 de Abril a 02 de Maio - Grã-Bretanha e Escócia; 
14 a 16 de Maio - Espanha;  17 a 19 de Maio - França;  22 a 23 de Maio - Espanha;  01 a 04 de Junho - Irlanda;  04 a 06 de Junho - Islândia;  05 a 06 de Julho - Espanha;  09 a 14 de Julho - Chile;  14 a 21 de Julho - Brasil;  24 a 26 de Julho - Espanha;  06 a 07 de Agosto - Bélgica;  07 a 08 de Setembro - Espanha; 
14 a 17 de de Outubro - Coreia do Norte;  18 a 27 de Outubro - Japão;  28 a 31 de Outubro - Hong-Kong e Macau. 

1994 
02 a 05 de Fevereiro - França;  27 de Fevereiro a 03 de Março - Espanha (incluindo Canárias); 
18 a 26de Março - Brasil;  08 a 12 de Maio - África do Sul (Tomada de posse de Mandela); 
 22 a 27 de Maio - Itália;  27 a 31 de Maio - África do Sul;  06 a 07 de Junho - Espanha;  12 a 20 de Junho - Colômbia;  05 a 06 de Julho - França;  10 a 13 de Setembro - Itália;  13 a 16 de Setembro - Bulgária;  16 a 18 de Setembro - França;  28 a 30 de Setembro - Guiné-Bissau;  09 a 11 de Outubro - Malta;  17 a 18 de Outubro - Letónia;  18 a 20 de Outubro - Polónia;  09 a 10 de Novembro - Grã-Bretanha;  15 a 17 de Novembro - República Checa;  17 a 19 de Novembro - Suíça;  27 a 28 de Novembro - Marrocos;  07 a 12 de Dezembro - Moçambique;  30 de Dezembro a 09 de Janeiro - Brasil. 

1995 
31 de Janeiro a 02 de Fevereiro - França;  12 a 13 de Fevereiro - Espanha;  07 a 08 de Março - Tunísia; 
06 a 10 de Abril - Macau;  10 a 17 de Abril - China;  17 a 19 de Abril - Paquistão; 07 a 09 de Maio - França;  21 de Setembro - Espanha;  23 a 28 de Setembro - Turquia;  14 a 19 de Outubro - Argentina e Uruguai;  20 a 23 de Outubro - Estados Unidos;  27 de Outubro - Espanha;  31 de Outubro a 04 de Novembro - Israel; 
04 e 05 de Novembro Faixa de Gaza e Cisjordânia ... (foi cumprimentar os seus protegidos  palestinos);
05 e 06 de Novembro - Cidade de Jerusalém;  15 a 16 de Novembro - França; 
17 a 24 de Novembro - África do Sul …?  (nunca foi esclarecida esta viagem);
24 a 28 de Novembro - Ilhas Seychelles; 
04 a 05 de Dezembro - Costa do Marfim …? (nunca foi esclarecida esta viagem);
06 a 10 de Dezembro - Macau  (para controlar se ainda exista algum património para transportar em malas );
11 a 16 de Dezembro - Japão.

1996 
 08 a 11 de Janeiro - Angola ( na era dos Diamantes e do Marfim).

Durante os anos que ocupou o Palácio de Belém, Mário Soares visitou 57 países (alguns várias vezes como por exemplo Espanha que visitou 24 vezes e a França 21 vezes), percorrendo no total 992.809 Kms o que corresponde a 22 vezes a volta ao mundo.
Desde o dia 25 de Abril de 1974 nada foi a bem e para o bem do povo e da Nação !



Nicolae Ceaușescu Presidente da Romênia Socialista, e Elena Ceaușescu Vice-Primeira-Ministra da Romênia Socialista, também, instituiu o culto da sua pessoa convertendo-se numa figura popular para domínio do poder e do povo, e, tal, como o seu congénere português instituiu a corrupção durante a sua Ditadura.  



OS BASTARDOS DE ABRIL E A AGONIA DE PORTUGAL.

São eles, os bastardos de Abril, a causa da ruína de Portugal;
São eles, os bastardos de Abril, os representantes do poder apátrida que desbaratam o património público e que hoje fustigam o povo, que roubam a dignidade ao povo e envergonham Portugal. Que enriqueceram e usufruem de elevadíssimos salários. Que se instalaram no poder por golpe criminoso e dominam a sociedade e o estado português. Que a cada dia, a cada semana, a cada mês, e a cada ano que passa o cenário social, económico e político transfigura-se no espectro da corrupção, dos crimes, do desemprego, do desespero, da pobreza, da fome, e de um futuro que não se consegue divisar! 
São eles, os bastardos de Abril, terroristas, corruptos, velhacos, e assassinos: Do Crime de Traição contra a Pátria e o povo, do abandono e genocídio dos povos de Portugal das províncias ultramarinas, dos assaltos há mão armada, das expropriações, das prisões arbitrárias, das torturas físicas e psíquicas praticadas a pacíficos e honrados cidadãos portugueses nas cadeias de Abril, dos roubos, da desonestidade, dos subornos, da imoralidade, das burlas, dos compadrios, das fraudes, das conivências nos crimes, da promiscuidade, das falsidades, das mentiras, das incompetências, das aberrações. 
Intentaram  iludir o povo para esconderem os seus crimes, pretenderam mascarar os acontecimentos e factos com qualificação de carácter contrária há realidade, qualificando, para tal, como colonialistas um só povo ( nas suas próprias terras) das províncias ultramarinas, sendo estes criminosos de Abril os verdadeiros colonialistas que nada construíram, nada produziram a bem da Nação e dos povos, que no ócio deambulavam pelos becos de Moscovo, saltitavam entre revistas e jornais em quiosque de rua por Paris ou  vagabundeavam pelos cantos dos quartéis de Lisboa urdindo maquiavelicamente os crimes contra a Nação, enquanto nas províncias portuguesas do Ultramar os portugueses de todas as raças e credos construíam um Portugal Maior com o esforço árduo do seu trabalho, e com o fruto do seu suor  davam alimento aos criminosos da revolução. Que convenientemente qualificaram de retornados (e não como refugiados) os portugueses brancos das províncias do Ultramar que contra a sua vontade tiveram que abandonar terra, vida, as suas raízes, identidade, e todos os seus pertences para fugirem à terrificante guerra civil fomentada e instigada pelos criminosos apátridas que delapidaram o património de Portugal, roubaram, enriqueceram, e criaram fundações com os dinheiros dos cofres do Estado, sendo esses os únicos e verdadeiros retornados, que vieram do estrangeiro de sua de livre vontade para participaram activamente nos crimes e na destruição da Nação. E não só destruíram e saquearam, abandonaram e entregaram ao genocídio os portugueses, como completaram a obra hipotecando ao estrangeiro o que restou desse Portugal, e ainda se têm pervertido com os dinheiros enviados por países estrangeiros usados para enriquecimento ilícito, como o souberam fazer desde 1974. 
Portugal e o seu povo, vá, como vá, pouco ou nada lhes importa, porque, eles, os bastardos de Abril, estão servidos o quanto pretenderam.

Para estes, Abril, de trágica memória, teve o nome de flor Vermelha para que nada pudesse ser como dantes. 
E Nada, Absolutamente, Nada,  Voltará a Ser o que Foi. 
Nenhum povo pode ser próspero quando sobre ele pesam crimes praticados contra os seus!
Porque a onda de terror, de destruição e de morte que varreu Portugal do Minho a Timor tem nome ímpio  de " Revolução dos Cravos", tingida a Vermelho de Sangue da Morte.



Desde 1974 nenhum destes criminosos foi  levado a Tribunal ou condenado pelos crimes de lesa Pátria e povo, o que não só reforça como confirma o conceito que o 25 de Abril de 1974 foi unicamente para instaurar um Estado Criminoso em Portugal onde proliferam os criminosos, os corruptos, e os ladrões.





PORTUGAL ATRAIÇOADO
                            Descarta Pátria minha o manto que sobre teus nobres ombros
                         pôs a vil barbárie ! Levanta-te já do pó, e entoa o hino da liberdade, 
                              Empunha a tua Bandeira feita de purpúra, esperança e glória ... 
                               Desfralda aos ventos o teu passado, teu brasão, teu lauro, 
                                                          e a tua História ! 
                           Vi pungirem-te a ferro e fogo pela mão de verdugos apátridas, 
                                         fazendo-te instrumento de vingança cruel, 
                              empunhando a espada da morte desventrando o teu ser 
                                                puseram a acha do poder !... 
                                 E fúnebres ciprestes formaram o teu dossel !

                         E logo os teus verdadeiros filhos aqueles que por ti davam a vida ... 
                        Viste proscritos, errabundos, chorosos a divagar ...
                    Tristes e abatidos de olhos moribundos olhando o céu cansados de chorar ! 
                           Deixa Pátria amada que os ventos ruidosos da tua destruição 
                 se misturem aos meus nos hinos do prazer e de orgulho, celebrando a tua ditosa 
                                 e contentamento do teu passado de grande Nação,
                                     mas lamentarei contigo o teu cruel padecer !

                        Teus filhos que se lembrem das virtudes do teu grandioso pedestal
                                        Mostrando às Nações teu título Imortal ... 
            Como Fénix renascidos abraçam-te e juram devolver-te a tua Augusta Dignidade! 
                          Entre eles não existem traidores, nem servos, nem tiranos ! 
                       Pátria idolatrada teu passado soberano te guardará a História ! 



Poema de, Rogéria Gillemans.
  Registado no Ministério da cultura - Inspecção Geral das Actividades Culturais, I.G.A.C. – Processo N°3089/2009 !